sábado, 15 de setembro de 2018

O Príncipe Dragão (2018)


Saudações do Crítico Nippon!

Esse ano fez 10 anos que o final de Avatar – O Último Dobrador de Ar foi ao ar na televisão. E coincidência ou não, foi anunciado também uma nova série sobre a avatar Kyoshi. E melhor ainda, um dos co criadores, Aaron Ehasz, juntamente com nomes por trás de Star Wars – Clone Wars e Uncharted, resolveu enfim dar vida a outro universo fantástico a partir do zero. A responsabilidade é monstruosa, visto que Avatar segue encarado como um dos melhores desenhos de todos os tempos. E já haviam falhado com Korra, que foi uma completa atrocidade. Além de ir ao ar pelo Netflix cujos originais tem um saldo muito mais negativo do que positivo. Dito tudo isso, O Príncipe Dragão superou todas as expectativas e é absolutamente formidável.  

(sem spoilers)


sábado, 11 de agosto de 2018

Berserk: trilogia Golden Age


Saudações do Crítico Nippon!

Esta trilogia de filmes é o meu primeiro e único contato com Berserk. Acho que tem algum valor por eu não estar “infectado” com o anime de 97 ou o mangá, poderei julgar facilmente e exclusivamente esta série de remakes que abrange o arco da Era de Ouro. Contando com altos e baixos, alguns muito altos e outros extremamente baixos, a maior parte dos méritos é do estúdio 4ºC, que compreendeu a magnitude da obra que havia em mãos. Mesmo que se atrapalhe muito em alguns momentos.
(A Beta Roberta comentou dois deles aqui e aqui)
(Esse texto só existe graças à votação do Padrim. Participe também!)



sexta-feira, 18 de maio de 2018

Kokkoku (2018)


Saudações do Crítico Nippon!

Esse é um anime relativamente raro, com uma trama ágil, em um espaço de tempo extremamente curto (talvez a trama no espaço de tempo mais curto que eu já vi), diversos núcleos de personagens interagindo entre si e um universo aparentemente simples, embora com muito potencial para explorar.

(mais um texto que só existe graças aos Padrims. Quer votar também? Corre lá)




quarta-feira, 25 de abril de 2018

Psychokinesis (2018)


Saudações do Crítico Nippon!

O cineasta Yeon Sang-ho vem se estabelecendo como um dos gigantes da Coréia do Sul (melhor país de Cinema do mundo, na minha singela opinião). Abriu seu caminho nas animações com The Fake, seguido do excelente The King of Pigs. Em 2016 deu um salto definitivo na carreira, com os formidáveis Seoul Station e seu irmão em live action, Train to Busan, com o popular “gênero zumbi”. Esse último estourou no Ocidente, e a maior constatação disso é que chegou a passar nos cinemas do buraco de vilarejo que eu moro (!!!). O que nos traz a este Psychokinesis, que nos mostra um diretor versátil, diferente de tudo que já tinha feito até então. Embora com problemas mais graves que os seus antecessores.



quinta-feira, 12 de abril de 2018

Made in Abyss (2017)


Saudações do Crítico Nippon!

Nas minhas anotações sobre este anime, devo ter escrito a palavra “aterrorizante” e seus derivados umas dez vezes. Tem a essência daquelas histórias infantis como João e Maria, e até o jovem clássico Over The Garden Wall. Made in Abyss é inteligente em seus detalhes, preenchendo o universo com novas informações o tempo inteiro, embalado por uma animação de tirar o fôlego. E totalmente desesperador.



domingo, 11 de março de 2018

Sangatsu no Lion


Saudações do Crítico Nippon!

Não é fácil fazer obras sobre depressão. É um tema delicado em sua abordagem, infelizmente ainda tratado como tabu, e que já saiu pela culatra até recentemente (cof 13 reasons why cof). Felizmente, nos animes, já renderam alguns bons exemplares. De Welcome to NHK, Sayonara Zetsubou Sensei, Serial Experiments Lain, Kara no Kyoukai, e por aí vai. Alguns procuram maquiar o assunto mais que outros. O que não é o caso deste Sangatsu no Lion, com inúmeras descrições dos sintomas e metáforas sobre eles. Surpreendentemente, o anime encontra calor humano na maior parte do tempo, revelando-se uma experiência (agri)doce e agradável.



domingo, 25 de fevereiro de 2018

Arpeggio of Blue Steel


Saudações do Crítico Nippon!

Esse anime me lembrou tantas obras bacanas, sejam animes ou filmes. O time de heróis em um pequeno submarino lembra os entregadores de Black Lagoon. O capitão lembra o Lelouch de Code Geass. As batalhas navais substituem os costumeiros mechas, e agregam estratégias que podem ser vistas em filmes como Das Boot, Maré Vermelha e Star Trek – A Ira da Khan. Embora, claro, invente novas, abraçando a vantagem de se tratar de um anime.



quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Houseki no Kuni (2017)


Saudações do Crítico Nippon!

É impressionante como é difícil assistir um anime aparentemente tão simples como este. A carga mental necessária para seguir adiante é devastadora. Sem grandes batalhas, grandes expectativas, nem grandes reviravoltas. E assim mesmo, é difícil respirar ao terminar vários dos episódios de Houseki no Kuni. É uma experiência universal de auto conhecimento que encontra eco em todos nós.

(mais um texto que só existe graças a votação dos nossos Padrim’s. MESMO.)